Domingo, 24 De Fevereiro De 2019

LOJA QUINTA CAPA

Crítica | Roma: Alfonso Cuarón nos convida para sua infância e mostra o que existe dentro de nossa alma.

Roger Ebert escreveu certa vez que “os filmes são máquinas que geram empatia”, e nada encapsula esse sentimento melhor do que Roma. O diretor Afonso Cuarón trocou a vastidão épica do espaço por uma história íntima sobre sua própria infância e as mulheres que o criaram. Quer você tenha crescido em uma situação parecida, ou apenas tenha um coração batendo ai dentro, Roma puxa todas as cordas certas nos momentos certos para fazer com que você se sinta como se conhecesse essa família a vida toda.

Cuarón disse numa entrevista na pesquisa que fiz para escrever essa crítica que a Roma é 90% baseada em sua própria infância. Nós seguimos um capítulo na vida de Cleo (Yalitza Aparicio), uma empregada doméstica no bairro de classe média de Roma, na Cidade do México, no início dos anos 70. Ela trabalha para uma família com três garotos e uma garota. Cleo é mais do que apenas uma empregada, na maioria das vezes agindo como uma mãe substituta para os filhos na ausência de seus pais. Ela que coloca as crianças à noite para dormir, veste cada um e garante que eles estejam prontos para a escola todo santo dia. Ela também tem a paciência de uma santa, como quando os pais estão realmente na casa, eles são um lembrete constante de que Cleo não é realmente uma parte de sua família. Apesar deles serem gentis com Cleo, ela ainda é apenas “a empregada que ajuda”. Embora os latino-americanos se identifiquem especialmente com a relação entre governantes e as famílias para as quais trabalham, Cuarón se certifica de que, independentemente de suas experiências de vida, você continuará cuidando dessa família.

 

Tudo muda para a Cleo depois que um caso que ela tem com um cara metido em artes marciais resulta em uma gravidez. Ao mesmo tempo, a matriarca da família, Sofia (Marina de Tavira), descobre que as viagens do marido não são apenas de negócios. Apesar de este ser um filme essencialmente autobiográfico, Cuarón, que também escreveu Roma, ignora a história das crianças. Em vez disso, ele coloca seu foco em Cleo e Sofia e explora o tema dos homens evitando suas responsabilidades e deixando as mulheres para lidar com carga de problemas que cada um deixou para elas.

“Roma”, de Alfonso Cuáron

 

Não satisfeito em apenas escrever e dirigir, Alfonso Cuarón também filmou o filme, trabalhando pela primeira vez sem seus amigos e diretor de fotografia Emmanuel Lubezki, os dois são parceiros desde O Prisioneiro de Azkaban. A câmera age como um fantasma do presente, olhando para o passado. Roma raramente usa close-ups, em vez disso, mantém o público distante. Ainda ganhamos assinaturas longas das cenas de Cuarón. Se você não sabe o que é isso, no filme são aquelas panelas laterais constantes para mostrar os arredores de Cleo, forçando-nos a testemunhar os eventos, incapazes de mudar nada. O filme foi todo gravado por uma câmera de 70 mm com película de 65 mm (2,6 polegadas) de largura. Tudo é deslumbrante, uma coisa bonita de se assistir, é detalhe demais, fotografia ampla. E talvez isso seja também o dilema do filme: o filme exige que seja visto diversas vezes para vê-se tudo que o Cuaron colocou em cada cena, além disso, a composição em preto e branco do filme deve ficar muito interessante de assistir numa tela grande de cinema. Não existe música no filme, apenas aviões passando no fundo do plano.

 

O macro para o micro se torna mais perceptível no decorrer do filme. Enquanto a história principal é toda sobre Cleo vivendo sua gravidez, somos apresentados com eventos trágicos e os primórdios de uma das mudanças sociais mais marcantes da história do México, isso tudo em segundo plano. Cleo é de origem Mixteca, um povo ameríndio da família linguística Otomanque, habitantes dos atuais estados mexicanos de Oaxaca, Guerrero e Puebla. Metade de seu diálogo é falado neste dialeto, o que leva a uma exploração da divisão de classes e como a população indígena do México e da América Latina é tratada de forma diferente. Um tema central é o da empatia, e as famílias improvisadas se formam a partir da tragédia. À medida que a gravidez de Cleo se aproxima do fim, seu relacionamento com a família se desenvolve. Ao mesmo tempo, Cuarón mantém pequenos momentos em segundo plano, como um terremoto, um incêndio florestal ou uma briga de rua que explode quando o filme chega à sua recriação do massacre de Corpus Christi. Do nada, o filme explora esse protesto estudantil de 1971 que resultou numa tragédia quando as tropas paramilitares começaram a matar estudantes que estavam numa manifestação pela libertação de presos políticos e por mais investimentos em educação. É uma sequência de parar o coração com uma poderosa ressonância contemporânea.

 

Com Roma, Alfonso Cuarón assumiu o papel de um curador de arte da história humana, cuidadosamente selecionando capítulos de sua vida e reorganizando-os em uma poderosa fábrica de empatia. Cada quadro pode ser pendurado como uma pintura, cada performance parece natural e poderosa. Yalizta Aparicio tem um dos olhares mais tristes que já vi no cinema. Ela não fala muito no filme, mas seu olhos…ela pode ser apenas uma iniciante como atriz, mas nunca mais será esquecida enquanto o cinema existir.

“Roma”, de Alfonso Cuáron

 

Veredito

 

Roma é algo grandioso, uma história poderosa e pessoal sobre família. A exploração de revoltas políticas, desigualdades de classe e gênero fazem deste um filme importante, mas o fato de permanecer sempre baseado em sua história pessoal faz de Roma um filme emocionante e emocional, filmado com maestria por um veterano diretor que finalmente criou sua obra-prima.

Quem é PikachuSama

Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.

 

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: