Não deixe de conferir nosso Podcast!

12 Atores que fizeram o público morder ou não a língua

Robert is Batman?

Quando os fãs fizeram a birra que foi ou não merecida.

O fandom de filmes pode ser uma coisa maravilhosa, uma apreciação alegre do entretenimento que enriquece a vida – mas, como já vimos tantas vezes, às vezes esse entusiasmo dá lugar à obsessão constrangedora, se não preocupante.

Esse lado negro da fan base também costuma aparecer quando uma franquia de sucesso faz uma escolha de elenco que, à primeira vista, parece ser a coisa mais errada já feita na história do personagem.

Em vez de permanecer pragmático e considerar o que um ator inesperado poderia trazer para um papel, a Internet tende a se transformar em desgraça e melancolia com uma eficiência perturbadora.

Mas mesmo muito antes de a Internet existir, fãs de filmes baseados em quadrinhos e outros grandes sucessos do cinema agiam como pessoas ferozmente infantis, jogando seus brinquedos pela janela sempre que um nome aparentemente ruim para eles ganha um papel de destaque.

Às vezes os fãs estão certos – não importa o jeito petulante com que eles se comportam – e às vezes um ator é errado para um papel. Mas isso não acontece com tanta frequência como muita gente imagina.

Mas, na maioria das vezes, os fandoms acabam extrapolando peculiarmente determinado ator escolhido de forma desproporcional, na medida em que constrange a si e o resto dos fãs normais como você eu . Então, vejamos quais atores foram massacrados e que acabaram fazendo os fãs morderem a língua e outros que eles estavam corretos em criticar.

 

Daniel Craig – James Bond (Casino Royale)

 

MGM

 

Quando a MGM anunciou que Daniel Craig seria o novo James Bond em outubro de 2005, os fãs ficaram zangados. Aqui na minha terra, Teresina, costumamos dizer que eles ficaram “Virado o bicho”.

Os rumos na época davam mais certeza que os atores Clive Owen, Dougray Scott, Hugh Jackman, Henry Cavill e Karl Urban estavam em negociações para o papel. Aí, do nada, apareceu o Daniel.

Os tabloides ingleses rapidamente o apelidaram de “James Blond” devido a sua cor de cabelo mais clara do que é tradicional para 007, enquanto os fãs também reclamavam de outras superficialidades, como a estatura relativamente baixa de Craig e sua aparência mais quadrada comparada aos Bonds anteriores.

Entre este e o risco inerente da MGM de reiniciar a franquia Bond pós-Amanhã Nunca Morre, muitos fãs estavam convencidos de que o Casino Royale marcaria mais uma franquia desastrosa.

Funcionou? Absolutamente. Daniel Graig se empenhou terrivelmente com um vínculo psicológico, duro e brutal, como a franquia nunca tinha visto antes.

Alguns chegaram ao ponto de elogiar o desempenho de Craig como o melhor desde os dias de Connery,  independente de onde ele se classifica entre Bonds para você pessoalmente. Como os fãs estavam errados.

 

Topher Grace – Venom (Homem-Aranha 3)

 

Topher Venom
Sony

Os fãs do Homem-Aranha ficaram animados quando foi confirmado que o lendário vilão Venom finalmente faria sua estreia no cinema, no terceiro filme de Sam Raimi.

Ainda assim, o otimismo rapidamente se transformou em tristeza quando a Sony anunciou que o duplo papel de Eddie Brock / Venom seria interpretado por … Topher Grace.

Grace, naquela época, era mais conhecido como Eric Forman da série That ’70 s Show. Não combinava com o Brock, já que o personagem é enorme e forte nos quadrinhos. Os fãs começaram a especular e falar que ele não estava ameaçador suficiente.

Não deu certo? Infelizmente não. Isso não foi por causa do Grace como ator, mas ele simplesmente não funcionou no papel. Não ajudou o fato do personagem ter sido imposto pelo estúdio ao diretor, o que pode explicar muito sobre o resultado final.

O roteiro, pelo menos, tenta reimaginar Brock como um personagem mais conivente e patético do que nos quadrinhos, mas Grace não traz muito carisma ou interesse para Brock, nem muita fisicalidade para Venom também. O filme no geral, é decepcionante. Mais de uma década depois, continua a ser um dos mais desconcertantes lançamentos da história dos blockbusters.

 

Chris Evans – Capitão América (Capitão América: O Primeiro Vingador)

 

Chris Evans
Marvel Studios

Lançar Capitão América foi uma das tarefas mais importantes do nascimento UCM, uma vez que ele acabou se tornando a pedra angular da franquia por quase uma década.

Quando Chris Evans conseguiu o papel, os fãs ficaram muito divididos. Na época, Evans era amplamente conhecido do público por seu papel quase cômico como Johnny Storm em Quarteto Fantástico, e não havia muita indicação de que a estrela poderia combinar com o heroísmo sério do Capitão.

Ryan Phillippe e John Krasinski eram os candidatos finais para o papel e muitos achavam que Evans era uma escolha equivocada – e mais tarde descobrimos que o próprio Evans chegou a recusar o papel algumas vezes, por medo de ficar preso a um contrato restritivo  por vários anos.

Isso funcionou ? Obviamente. No final do primeiro ato do Primeiro Vingador, até mesmo os mais céticos aceitaram que o ator estava fazendo o papel que todos esperavam para o Capitão;  também mostrou a fisicalidade mais exuberante e musculosa do cinema naquela época. O cara ficou bombado rs

Evans tornou-se um dos personagens mais populares do UCM – perdendo apenas para o Homem de Ferro de Robert Downey Jr. – e desfrutou de um longo mandato e que encontrou uma conclusão poderosa e épica em Vingadores: Ultimato.

 

Kristen Stewart – Branca de Neve (Branca de Neve e O Caçador)

 

Branca de Neve (Kristen)
Universal

Por mais que houvesse um ódio velado em torno de um novo filme de Branca de Neve na época, a esperança foi quase imediatamente zerada quando Kristen Stewart foi escalada como a heroína icônica do longa.

Stewart, que estava no meio da conclusão da franquia Crepúsculo, surgiu como uma escolha cínica motivada apenas pelo sucesso financeiro de Crepúsculo, em vez de uma escolha adequada para o papel.

O sentimento na Internet colocava Stewart como “simples” demais para interpretar uma personagem tão bela quanto a Branca de Neve, um problema que ganhou proporções ridiculamente colossais quando deram que Charlize Theron faria o papel da malvada Rainha Ravenna. Foi um massacre contra a Kristen Stewart.

Será que o público realmente acreditaria que Charlize temeria que sua beleza estivesse sendo usurpada por Bella Swan?

O papel funcionou? Não, mas não foi um desastre total. O desempenho de Stewart acabou sendo mais esquecível do que ruim, e foi previsivelmente ofuscado por Theron tanto na aparência quanto nos departamentos de atuação, fazendo com que sua interpretação de Branca de Neve parecesse um pouco chata e confusa.

Sem surpresa, Stewart optou por não retornar para a (horrível) sequência de 2016 O Caçador e a Rainha de Gelo.

 

Hugh Jackman – Wolverine (X-Men)

 

Hugh Jackman as Wolverine
Fox

Russell Crowe foi na verdade a primeira escolha para interpretar Wolverine no filme original dos X-Men, mas ele acabou recusando e indicando seu amigo Hugh Jackman.

A escolha de Jackman foi imediatamente criticada pelos fãs de quadrinhos, já que o ator tinha poucos papéis em filmes na época, e fora de sua terra natal, Austrália, era conhecido em grande parte por seu trabalho em musicais. Coisa que ele voltou a fazer novamente.

O debate maior era porque Jackman não parecia fisicamente com o Wolverine dos quadrinhos, e se você fizer alguma pesquisa online, você ainda pode encontrar a evidência de 20 anos de dúvidas dos fãs sobre o tema.

Será que isso funcionou? Inquestionavelmente, e com o benefício da retrospectiva, é difícil não rir dos fãs sobre isso.

Jackman pode não ter sido fisicamente imponente no primeiro filme dos X-Men, mas ele trouxe charme para a tela e rapidamente se estabeleceu como o personagem mais popular do filme dos X-Men.

Jackman desenvolveu e elevou o papel ao longo de quase duas décadas de sequências e spin-offs, onde ele desenvolveu os músculos de aço para criar, indiscutivelmente, o retrato de tela mais definitivo de qualquer super-herói.

Isso culminou, é claro, com seu desempenho final universalmente aclamado como Wolverine no Logan de 2017.

Jackman foi tão brilhante no papel que Hollywood realmente poderia deixar Wolverine dormindo por um longo tempo, porque uma reformulação apressada só convidaria comparações desfavoráveis ao seu trabalho exemplar.

 

Tom Cruise – Jack Reacher (Jack Reacher)

 

Jack Reacher
(Reprodução)

Tom Cruise não é um estranho quando é escolhido para papéis contenciosos, exemplo disso foram seus papéis Em entrevista com Vampiro de 1994, como Lestat, e o coronel von Stauffenberg em Operação Valquíria de 2008.

Mas a controvérsia mais recente de Cruise ocorreu quando ele foi escalado como Jack Reacher na adaptação de 2012 de Christopher McQuarrie do muito amado romance de suspense policial de Lee Child. Jack Reacher é um veterano da polícia militar com cabelos loiros e olhos azuis com quase dois metros de altura e mais 100 quilos. O cara é sempre descrito como uma porta que toda vez que entra numa sala, todo mundo fica terrivelmente amedrontado.

Não é preciso ser um detetive para descobrir que Cruise está muito longe de cada um desses atributos, com seus cabelos escuros, olhos verdes, altura e pesando cerca de 50 quilos. Os fãs não estavam comprando o personagem vivido pelo ator.

Funcionou? Sim e Não. Cruise deu um desempenho caracteristicamente divertido, com certeza, mas nunca uma vez ele realmente se sentiu como o Jack Reacher do material original. Foi a uma das poucas vezes que os fãs ficaram bravos com o físico do ator.

Cruise estava bem, dadas as circunstâncias, mas os fãs merecem mais do que um tratamento tão solto e descompromissado de um personagem incrivelmente popular no mercado editorial de protagonistas de romances de ação.

 

Heath Ledger – Coringa (Cavaleiros das Trevas)

 

Heath Ledger
Waner Bros.

E agora chegamos a praticamente o Santo Graal dessa lista. O ator que foi massacrado literalmente por todos os fãs de filmes de heróis no cinema. Você não pode negar isso.

Apesar dos rumores de que Paul Bettany seria escalado para o papel do Coringa de O Cavaleiro das Trevas, de Christopher Nolan, o escolhido foi Heath Ledger e o mundo ficou confuso e quase sacrificou animais tamanho foi o haterismo.

Ledger, que era mais conhecido por suas atuações em filmes como 10 Coisas que Odeio em Você e Coração de Cavaleiro (sem mencionar sua nomeação ao Oscar em Brokeback Mountain) era basicamente o oposto de quem os fãs esperavam, expressando seu descontentamento online em massa, alegando que ele iria “arruinar” o Coringa e, consequentemente, o filme de Nolan.

Será que deu certo? Embora Ledger tenha falecido tragicamente antes de sua apresentação nas telas, ficou claro, desde o lançamento do primeiro trailer do filme, que Ledger havia desafiado toda massa de fanboys para entregar uma ousada e lendária interpretação do personagem.

Por fim, a interpretação livre de Ledger tornou-se o aspecto mais distinto e elogiado do filme – em um filme que, com certeza, não queria elogios –, chegando mesmo a ganhar o Oscar de Melhor Ator Coadjuvante póstumo.

E mais de uma década depois, o Coringa de Ledger continua a ser um ponto alto não apenas para a vilania cinematográfica de super-heróis, mas também para os antagonistas do cinema como um todo. Sempre que os fãs falam sobre uma escolha de elenco, é sempre útil manter o Heath Ledger em mente.

 

Scarlett Johansson – Major (Ghost In The Shell)

 

Scarlett is Major
(Reprodução)

Desde que o cinema existe, Hollywood foi culpada de caiar os personagens para fins cínicos, dando sempre espaço para atores brancos em filme que precisavam ser interpretados por pessoas de raça ou etnia real de um determinado personagem, além de inserir descaradamente isso nas histórias dos protagonistas.

E apesar de vivermos uma década onde não exista um John Wayne vestindo “brown-up” e um ridículo bigode Fu Manchu para interpretar Genghis Khan, atores brancos ainda são escalados para papéis que não são realmente destinados a eles.

No caso em questão, as sobrancelhas de muita gente foram levantadas quando Scarlett Johansson foi escalada para o papel principal na adaptação de Hollywood de Ghost in the Shell.

No mangá, o personagem era japonês (naturalmente), e muitos achavam que escalar uma atriz americana branca era insultante, se não francamente ofensivo. As petições foram até circuladas, solicitando que Johansson fosse substituída, mas não deu em nada.

A coisa funcionou? Johansson estava bem o suficiente em algumas partes, mas tanto a sua performance quanto o filme como um todo lutaram para escapar do sentimento nojento que o elenco deixou.

Além disso, o roteiro tentou, de forma equivocada, dobrar a controvérsia da brancura na trama, revelando no terceiro ato que a concha de Johansson de fato abrigava a alma da mulher japonesa original, Motoko Kusanagi.

Alguns a viam como uma tentativa ousada e ambiciosa de confrontar a mão de obra, mas a maioria simplesmente achava que estava esfregando sal na ferida – os cineastas queriam encobrir seu filme e fazer uma tentativa meio dura de justificá-lo narrativamente.

A “justiça” prevaleceu para os queixosos e o filme despencou de forma crítica e comercial.

 

Idris Elba – Heimdall (Thor)

 

Idris Elba
Marvel Studios

Quando Idris Elba foi escalado como o Sentinela Asgardiano Heimdall em Thor, o UCM enfrentou uma de suas primeiras controvérsias de escolha de elenco.

Um grupo de supremacia branca, o Conselho dos Cidadãos Conservadores, montou uma campanha para boicotar o filme, alegando que um Deus nórdico nunca seria negro (dada a sua ancestralidade europeia).

Isso provocou um debate geral sobre a escolha de elenco em filmes e a diferença entre branquear um personagem com aquele papo maldito de “blackwashing”.

O próprio Elba riu muito da controvérsia, chamando-a de “ridícula”, já que era um filme com tantos elementos intencionalmente ridículos.

E felizmente, as pessoas mais sensatas concordaram com ele, mesmo que isso ainda apareça em debates de grupos racistas. Imagina você colocar dez racistas numa sala com um gigante do porte do Idris?

Funcionou? Absolutamente. Ninguém com um tronco cerebral totalmente funcional se importava que Heimdall fosse negro, e embora a parte fosse relativamente subscrita durante toda a sua execução no UCM, Elba fez um ótimo trabalho com o que ele tinha.

 

Zoe Saldana – Nina Simone (Nina)

 

Zoe Saldana
(Reprodução)

Depois que Mary J. Blige teve que desistir de interpretar Nina Simone no filme biográfico de Cynthia Mort, ela foi substituída por… Zoe Saldana.

Uma onda de controvérsia se seguiu assim que as primeiras fotos do set apareceram online, retratando Saldana em próteses berrantes e tendo sido “enegrecida” para se parecer mais com a lendária cantora.

A questão era em última análise dupla: a escolha de Saldana parecia uma tentativa cínica de emprestar ao filme uma marca acima de todas as outras prioridades, dado que a estrutura facial de Saldana não é nada parecida com a de Simone, para não falar de sua pele decididamente mais clara.

Quando estamos falando de um super-herói fictício, tudo bem, mas uma figura da vida real? É importante esclarecer os fatos. A família de Simone deu uma resposta para o papel de Saldana: “Grande história, mas por favor tire o nome de Nina da sua boca. Para o resto da sua vida”.

Será que isso funcionou? Não remotamente para qualquer pessoa envolvida. Saldana realmente tentou fazer com que funcionasse, mas sua falta de semelhança com Simone era uma distração – assim como as tentativas de fazê-la mais parecida – e o filme em si era um filme biográfico dolorosamente enfadonho e tristemente genérico.

Lançado mais de três anos após sair a fotografia da atriz no papel, o filme foi um fracasso de bilheteria e está atualmente 2% na nota do Rotten Tomatoes.

Por mais que todos nós gostemos de Zoe Saldana, essa foi uma mudança de carreira pouco aconselhável. Felizmente para ela, poucas pessoas realmente se incomodaram em assistir.

 

Michael Keaton, George Clooney, Ben Affleck & Robert Pattinson – Batman (Batman 89, Batman & Robin, Batman V Superman & The Batman)

 

Batman
Warner Bros./DC

Talvez nenhum papel proeminente no panteão da cultura pop tenha sido rotineiramente criticado como o Batman – que fala tanto sobre a natureza meticulosa dos fãs de quadrinhos quanto sobre a popularidade do personagem.

Primeiro temos Michael Keaton, que recebeu 50 mil cartas de reclamações diretamente na caixa de correios da Warner Bros. depois de ser escalado para o Batman de Tim Burton em 1989. Ele quase desistiu do papel por causa disso.

Mais conhecido por seus papéis cômicos antes do elenco, muitos fãs simplesmente não acreditavam que ele pudesse fazer o Batman ou mesmo pular paredes e lugares escuros.

Seu sucessor, Val Kilmer, realmente se saiu relativamente bem, pois além de sua merecida reputação de ser um ator difícil de trabalhar no set, não parecia haver muitas queixas sobre ele assumir o papel.

Mas quando George Clooney tomou as rédeas de Batman & Robin, foi preciso se abaixar porque facas voaram pelo céu, com muitos fãs questionando por que ele havia sido escalado como Batman.

Em seguida, os fãs estavam relativamente confiantes sobre como Christian Bale faria em Batman Begins, mas que não sobrou reclamações de todos os lados sobre o Coringa de Heath Ledger.

No entanto, uma verdadeira tempestade se desenrolou online quando Ben Affleck foi inesperadamente escalado como o Batman do DCEU, dando o exemplo do fracasso de Affleck como Demolidor em seu filme solo de 2003.

E finalmente, com a recente notícia de que a Warner Bros. está tentando fechar um acordo com Robert Pattinson para interpretar o super-herói em The Batman, de Matt Reeves, várias petições já começaram a rodar implorando para que o WB escolhesse outra pessoa. E a tinta ainda nem secou no contrato…

Keaton fez um bom batman, e apesar das excentricidades cinematográficas de Tim Burton, ele acertou a natureza desordenada de Bruce Wayne melhor do que qualquer outra pessoa.

Clooney foi uma lavagem completa, em grande parte devido ao filme ser absolutamente horrível, mas também porque Clooney deu uma performance deprimente.

Affleck fez um trabalho maravilhoso com o que ele tinha, mas ele acabou sendo prejudicado pelo material e acabou saindo do DCEU muito mais cedo do que os fãs queriam que ele fizesse.

Quanto a Pattinson, teremos que esperar para ver, mas dado seu talento claro como ator, é certamente uma escolha de elenco ambiciosa e empolgante (supondo que ela realmente se encaixe).

 

Renée Zellweger – Bridget Jones (Diário de Bridget Jones)

 

Renne
(Reprodução)

Quando anunciaram o papel principal na adaptação cinematográfica do aclamado romance de Helen Fielding, Diário de Bridget Jones, a Universal estava originalmente procurando uma lista de atrizes inglesas e australianas, incluindo Helena Bonham Carter, Cate Blanchett, Emily Watson, Rachel Weisz e Toni Collette.

No entanto, a pesquisa de dois anos de seleção de elenco concluiu que a texana Renée Zellweger, daria conta do recado.

Com uma silhueta magérrima e uma voz que até hoje não soa agradável, a atriz tinha apenas sua capacidade de interpretar de forma convincente a protagonista britânica. E os fãs, mais uma vez, foram implacáveis.

Muitos achavam que, assim como James Bond é tradicionalmente reservado aos atores britânicos – exceto algumas exceções –, Bridget Jones também precisava ser interpretada por uma atriz do Reino do Unido.

Funcionou? Absolutamente. Zellweger levou o papel a sério, ganhando alguns quilos a mais para se assemelhar mais a Bridget do livro, e trabalhando com um treinador de sotaque para soar convincente como uma britânica bebedora de chá.

Ela fez uma atuação lendária, os espectadores que não sabiam das origens de Zellweger, provavelmente nunca teriam imaginado que ela não era britânica. O filme foi um grande sucesso entre os críticos e o público, levando a duas sequências de sucesso.

O Érico me ajudou na revisão desse texto, então todos os créditos são para ele. E para você, quem faltou nessa lista?Deixe nos comentários!

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.