Não deixe de conferir nosso Podcast!

Game Of Thrones | The Iron Throne, Resenha

Daenerys
Daenerys olhando para o tão sonhado Trono de Ferro (HBO)

Fogo e sangue, ou um sonho da primavera? E Game of Thrones acabou.

Esta é a última resenha da série Game of Thrones e contém spoiler do episódio 6 da oitava temporada, “The Iron Throne”. Obrigado a todos que leram minhas resenhas de cada episódio, recebi muitas críticas negativas, mas as positivas foram as melhores.

Fomos advertidos em todas as temporadas que não teríamos um final feliz para a maioria dos personagens de Game of Thrones. Ramsay Bolton avisou várias vezes sobre isso, principalmente quando ele fazia alusão que o final sempre terá um sabor “agridoce”. Que é uma frase do próprio George R.R. Martin quando perguntaram como seria o final da saga, e para piorar as coisas, nessa mesma entrevista ele prometeu um sonho cheio de esperança numa primavera para muitos dos nossos personagens favoritos. Claro que não literalmente isso, mas algo que significava a mesma coisa.

Foi um final de Game of Thrones mais digno do que muitos de nós poderiam ter previsto. Além de Daenerys, não houve grandes vítimas (soldados Lannister não são gente) – e enquanto os senhores e senhoras sobreviventes de Westeros ririam da sugestão otimista de Sam de que eles deveriam estabelecer uma democracia no lugar de uma monarquia e finalmente permitir que o povo dos Sete Reinos uma votação (boa tentativa, Tarly), tudo parecia dar certo, apesar do genocídio em massa de Dany. Apesar da observação de Sansa de que havia milhares de nórdicos furiosos fora dos muros do que sobrou de Porto Real esperando pela liberdade de Jon, talvez nunca tínhamos percebido como esse conflito afetou o mundo em geral, ou se os civis em outras partes de Westeros estavam cientes das insignificantes disputas entre rainhas. A coisa pareceu até digna demais, já que o inverno veio e foi embora como um vento de tempestade que a hype da maioria dos espectadores já havia baixado neste último e melancólico episódio.

No fim das contas, os loucos, os bastardos e os quebrados foram o cimento dessa história, com a sabedoria de Bran – e, mais importante, com seu conhecimento do passado –, provando ser mais uma qualificação para a regra do que a violência ou o sangue; se voltarmos no tempo, Tywin Lannister ensinou para Tommen sobre o que faz um bom rei – alguém que escuta seus conselheiros e não tenta tomar todas as decisões por conta própria. E é um alívio que, após as temporadas de Jon insistir que ele não tinha nenhum desejo ou ambição de governar, isso não foi imposto a ele por causa de algo tão arbitrário quanto seus pais. (Embora toda essa reviravolta sobre Aegon tenha realmente se tornado uma bagunça para nada no final).

Sansa tornou-se Rainha do Norte, agora um reino independente que, sem dúvida, se beneficiaria de seu senso de estratégia e cuidado com seu povo; Arya foi claramente preparada para um spinoff perfeito, partindo para explorar o que quer que seja a oeste de Westeros e vivendo como sempre quis: Livre. Tyrion tornou-se Mão de um governante que está basicamente contente em deixá-lo governar; e apesar de todo esse absurdo sobre ser exilado para a Patrulha da Noite novamente, parece que Jon pretende ir para o norte com Tormund e Ghost e o resto dos selvagens, para encontrar o tipo de vida simples e pacífica que ele sonhava com a Ygritte. (E você percebeu aquele ramo de verde crescendo através da neve enquanto eles cavalgavam na floresta? Um sonho da primavera, de fato.)

“The Iron Throne” seguiu a tradição de longa data da serie de fazer do penúltimo episódio de cada temporada o marco épico e usar o final para amarrar pontas soltas, o que pareceu um pouco mais anticlimático aqui do que o habitual, já que tivemos oito temporadas acumuladas para chegar a este ponto. Que destino cruel para Daenerys e como foi mal executado, pior que ela fez no episódio “The Bells”, especialmente quando finalmente conseguimos ouvi-la se justificar. Isso claramente não foi uma ruptura psicótica ou uma onda de vingança contra o povo de Porto Real por qualquer crime percebido contra ela, apenas uma ilusão de que Cersei estava usando “sua inocência como arma” contra Dany para tentar fazê-la hesitar em pegar o que quisesse apesar do fato de que ela não precisava atacar nenhuma pessoa inocente para reivindicar o trono.

Ninguém conseguiria desafiar Dany naquele momento que ela poderia ter ido direto para Fortaleza Vermelha e sair triunfante, já que estava completamente claro que Cersei não estava nas ruas, e os soldados Lannister estavam apenas ganhando tempo para uma cidade que ela e Drogon tinham devastado com fogo e sangue. Nada sobre o caráter de Daenerys até este ponto implicou que ela aprovaria a matança desnecessária de mulheres ou crianças – de fato, ela enfatizou aos Dothraki e Imaculados que eles haviam “libertado o povo de Porto Real” e que sua prioridade a partir de agora era em “libertar” os homens, mulheres e filhos de Westeros da “roda” na iniquidade e sem vestígios de ironia. Sua falta de remorso nesse episódio não se manifestou como os delírios de um ditador que estava preparado para vencer a qualquer custo, como se poderia esperar com todas as comparações do “Mad King” – ela apenas seguiu o rumo que os showrunners tinham decidido. E foi, infelizmente, a maneira mais eficiente de fazer com que Jon e Tyrion deixassem de apoiá-la para traí-la, não importando se faltasse alguma lógica ou justificativa narrativa.

Assim como a série fez um enorme desserviço a Cersei nesta temporada, relegando Lena Headey a meros 25 minutos de cena na 8ª Temporada e não nos oferecendo nenhuma percepção de seu estado mental ou motivações, além de sutilmente tocar sua barriga ou olhar tristemente pela janela. Game of Thrones também se atrapalhou com a queda de Daenerys para a vilania, me lembrou o que fizeram com o Anakin Skywalker. David Benioff e Dan Weiss disseram que propositadamente evitaram nos mostrar a expressão de Dany quando ela começou a devastar Porto Real em “The Bells”, porque segundo eles, era impossível seguirmos o raciocínio de Daenerys ou ter empatia com ela, algo que é vital quando você está tentando transformar um herói amado em um vilão.

A trajetória de Walter White em Breaking Bad foi tão eficaz e comovente porque pudemos testemunhar a lenta e constante erosão de sua moral ao longo de várias temporadas – essa analogia foi escrita bem aqui nesta resenha para exemplificar um exemplo perfeito que poderia ter feito na história da Daenerys e justificar suas decisões (algo que Benioff e Weiss absolutamente poderia ter feito com Dany nesta temporada, e que George RR Martin esperançosamente realizará em seus romances) enquanto ainda permite que outros personagens reajam e sejam repelidos por seu comportamento. Mas ao manter deliberadamente o público longe da cabeça de Daenerys e mostrar a ela apenas através das lentes de como os outros a viam, a última temporada perdeu uma oportunidade vital para oferecer contexto sobre por que ela fez as escolhas que fez, reduzindo uma nuançada e fascinante personagem para uma sombra unidimensional de seu antigo eu. Ambas, Emilia Clarke e Lena Headey, merecem coisa melhor, depois de colocar esse trabalho tão cuidadoso em Dany e Cersei na última década.

Mas, apesar de como visceralmente eu escrevi em “The Bells” (o suficiente para escrever mais de 3000 palavras sobre isso), pelo menos me fez sentir algo, e a parte mais decepcionante de “The Iron Throne” é que eu realmente não sinto muito por nada que aconteceu neste episódio final. Eu não chorei, não fiquei chocado com a decisão de Jon de esfaquear Dany no coração, e os momentos mais comoventes do episódio vieram de Drogon lamentando sua Mãe caída, estilo Rei Leão, e Jon finalmente tocando no Fantasma depois de três temporadas – algo que não teria sido emocionalmente afetado ou ressonante em primeiro lugar se a série não tivesse sido tão estranhamente insistente em manter o lobo gigante separado de seu mestre por todo esse tempo. Brienne finalmente tendo a chance de preencher o resto dos grandes feitos de Jaime Lannister no Livro Branco da Guarda Real foi um callback bonito e valioso, mas foi um pouco azeda por quão insensível e apressadamente ele a deixou – novamente, não oferecendo nenhuma visão real em seus sentimentos por Cersei ou Brienne.

Na maior parte do tempo, o final pareceu estranhamente pla

no. Para uma série em que eu investi incontáveis horas, tanto profissionalmente quanto como fã dos livros de Martin, achei que, pelo menos, eu desistiria da possibilidade de dizer adeus a esses personagens. Mas como eu discuti na resenha da semana passada, esse é o problema com expectativa versus realidade, e como Game of Thrones é potencialmente a última série neste formato que conseguirá reunir uma audiência global semanal tão falada, discutida e analisada em tempo real, era inevitável que nunca satisfizesse completamente aqueles de nós que teorizamos loucamente durante anos.

E enquanto o episódio foi lindamente dirigido e filmado por Benioff e Weiss (o visual de Daenerys com as asas de Drogon atrás dela pode ser a imagem mais linda da história da série, enquanto o momento em que Drogon derreteu o Trono de Ferro foi a única cena que valeu esperar por todos esses anos), parecia que muitos outros episódios tinham para esta temporada, em vez de permitir que momentos e escolhas de personagens se desenvolvessem organicamente. E enquanto a pontuação de Ramin Djawadi mais uma vez elevou os momentos mais significativos do episódio, foi mais potente quando esteve ausente – o episódio abriu com um trecho de quase 10 minutos sem qualquer acompanhamento musical, aumentando o horror e choque que Daenerys deixou. A trilha só voltou quando Tyrion descobriu os corpos de Jaime e Cersei, um adeus poderoso para o excelente desempenho de Peter Dinklage, mas que foi mais uma vez prejudicado pela futilidade da morte de seus irmãos. Sejam sinceros, davam para os dois saírem dali há tempo.

“The Iron Throne” certamente não foi um final desastroso, ou um que vai manchar o legado da série (“The Bells” já fez isso ), e permitindo que alguns dos nossos personagens favoritos possam sobreviver e prosperar (a temporada inegavelmente desperdiçou Bronn, mas ver o “Senhor dos Altos Títulos” no Conselho Pequeno, bater de um lado para o outro com Tyrion novamente, foi maravilhoso), ofereceu uma nota de esperança que na semana passada parecia quase inimaginável. Mas comparado a todo o potencial que havia nas temporadas anteriores, é impossível não imaginar o que poderia ter acontecido se Benioff e Weiss tivessem concordado em mais episódios e mais espaço para deixar esses conflitos se desenvolverem de uma maneira que esses personagens e essa história merecessem.

Pelo menos teremos os livros finais de Martin para oferecer mais informações sobre como chegamos aqui e por que, se eles forem mesmo lançados. Coisa que comecei a desconfiar também.

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Veredito

“The Iron Throne” ofereceu um final agridoce, mas em última análise esperançoso para uma das séries TV mais populares de todos os tempos, e, nesse aspecto, é provavelmente mais do que poderíamos esperar. Mas depois da reviravolta da semana passada mal cozida (sem trocadilhos) com Daenerys, o final não conseguiu aterrissar completamente, lutando para resolver muitos dos enredos persistentes da série em uma conclusão satisfatória e coerente (e ignorando outros completamente), e mais uma vez caindo vítima da ordem de episódios desnecessariamente truncada da temporada. Não é bem o sonho da primavera que poderíamos ter esperado, mas também não é um desastre. E agora nosso relógio acabou.

Nota

Para finalizar, eu queria deixar algumas palavras. Game of Thrones foi a série que me fez entrar de vez neste mundo de resenhista, pesquisador e roteirista. Eu não tenho formação em comunicação, mas muitas pessoas me disseram que eu tinha um jeito legal de falar sobre determinado assunto (mesmo com diagnóstico pesado de dislexia) e lá se foram quatro anos analisando e escrevendo cultura pop. Então, eu devo tudo a esta série no que acabei me transformando hoje. Não digo que sou um especialista, mas foram muitos anos lendo e pesquisando sobre isso. Eu aprendi tanta coisa nesse tempo, boas e ruins. Entendi como funciona o mundo do entretenimento de como se portar e como fazer conteúdo de forma honesta e correta. Então, muito obrigado a todos que leram tudo que escrevi sobre Game of Thrones. Mas acabou e a vida precisa continuar.

E mais uma coisa. Escrever não é fácil, apreciem enquanto podem pessoas que gostam de escrever sobre o que vocês gostam de consumir.

Todas as resenhas dessa temporada:

Game Of Thrones | The Bells, Resenha

Game Of Thrones | The Last Of The Starks, Resenha

Game Of Thrones | A Knight Of The Seven Kingdoms Review

Game Of Thrones | Winterfell Review

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.