Não deixe de conferir nosso Podcast!

Game of Thrones | A Knight of the Seven Kingdoms Review

Imagem cedida pela HBO

Esta resenha contém spoilers para o episódio 2 de Game of Thrones, 8, intitulado “A Knight of the Seven Kingdoms”. Para refrescar sua memória de onde paramos, confira minha resenha da 8ª temporada, episódio 1.

Estou deixando sem tradução os nomes dos capítulos já que não estão sendo traduzidos pela HBO, então não existe motivo para tal.

A coisa aconteceu mais ou menos assim.

Embora a estreia da 8ª temporada semana passada tenha sido sólido e com belas cenas, às vezes parecia que o roteiro estava checando o nosso humor em vez de contar uma história orgânica com uma sensação fluida e com ritmo. Eu sei que essas palavras soam bonitas, mas deixa eu explicar para alguns que não entenderam o que eu quis dizer: Cada episódio tem que fazer uma certa quantidade de linhas narrativas para levar seus personagens de A para B. Mas o episódio de estreia pareciam que as cordas que fazem esse tipo de trabalho estavam meio travados e nada sutis.

De muitas maneiras, o episódio 2 tem uma função semelhante – ainda é importante mostrar cada núcleo de personagens estabelecendo lealdades, verificar como cada um está e preparar o terreno para a batalha que está por vir, claro, existe essa sensação de urgência que estava ausente no episódio 1 – o episódio 2 foi fluxo intangível que baseou em cenas e momentos anteriores para dar-nos lembranças e de como isso está influenciando o momento atual, um dos episódios mais satisfatórios que assisti da série.

Isso pode ser simplesmente devido à confiança dos escritos de Bryan Cogman (ele escreveu 11 episódios, incluindo alguns dos melhores da série, como “Kissed By Fire”, “Oathkeeper” e “The Laws of Gods and Men”), com momentos agradáveis e esperando por todos nós – que alguns espectadores podem considerar que foi fan-service – Mas a Arya dando uma com Gendry e Brienne, sendo elevada a condição de Caveleiro por Sor Jaime – para a maioria esmagadora dos telespectadores, essas cenas foram mais que merecidas.

Cogman escreveu muitos dos episódios mais importantes de Jaime e Brienne na série, e você pode sentir o respeito e a compreensão que ele tem pelos personagens em todas as cenas que compartilham. Existe toda uma profundidade de olhares entre os dois carregados de significado, graças à disciplina do roteiro e às poderosas performances de Nikolaj Coster-Waldau e Gwendoline Christie. Existe uma química rica e bonita sempre que os dois aparecem.

Brienne e Jaime. A cena mais linda de Game of Thrones de todos os tempos (HBO)

Realmente não há melhor estrutura da trajetória de personagem de Jaime do que pensar em suas primeiras cenas juntos, quando Jaime passou a maior parte de uma temporada desprezando e contrariando Brienne apesar de ver sua destreza com uma espada, comparando com ele agora humildemente admitindo que não é mais guerreiro que já foi um dia, e que seria uma honra servir sob seu comando. É uma admissão que claramente a abala, mas que finalmente os coloca em pé de igualdade – algo que se solidifica quando ele concede a coisa pela qual ela ansiava a vida toda, mas sempre considerada fora de alcance: a chance de ser um verdadeiro cavaleiro dos Sete Reinos, no caso, uma Cavaleira.

É uma das cenas mais poderosas da história da série – tão forte emocionalmente, porque foi conquistada com tanto carinho e esperada por tanto tempo. E, como é Game of Thrones e a gente sempre espera o pior para todo mundo, pareceu uma previsão para a morte de Jaime de uma maneira horrível e heroica, justamente quando ele finalmente se redimiu. Sabe onde você consegue essa resposta. Veja novamente a conversa de Bran com Jaime. Bran prevê sua morte – quando Jaime pergunta o que será dele depois, Bran ameaçadoramente pergunta: “Como você sabe que há um depois?”

Bran Stark revelando coisas que até então eram apenas especulação (HBO)

Uma nota válida: Essa questão de “depois” também aparece na conversa de Daenerys e Sansa sobre o futuro do Norte, uma vez que Dany conquiste o Trono de Ferro – outra pergunta que não está resolvida neste episódio.

Há um ar de mau presságio que envolve tantas interações cruciais neste capítulo – Verme Cinzento e Missandei imaginando uma vida como um casal normal depois que Daenerys ganhar o trono (embora eu não possa deixar de esperar que o show atenda às nossas expectativas e deixe essas duas almas inocentes entre os últimos personagens em pé, apenas porque todos nós esperamos uma morte trágica para um ou ambos); Arya, o Cão e Beric relembrando a última vez em que estavam todos juntos (e a lista cada vez menor de Arya); Davos ficando cara a cara com uma jovem desajeitada com um rosto marcado que está determinada a lutar como seus irmãos e a repetida insistência de que todos estarão totalmente e completamente seguros nas criptas de Winterfell, o que poderia significar que há algum crédito para uma grande teoria dos fãs por aí (Eu depois conto isso). A série está nos avisando que haverá grandes baixas durante a Batalha de Winterfell, mas isso não significa que há alguma maneira da gente lidar com isso. Só para deixar a coisa mais dramática, a música ao fundo que está tocando na cena que Davos conversa com a menina é o tema musical de Shireen Baratheon “It’s Always Summer Under the Sea”… pessoas morrerão, muitas pessoas.

Embora eu tenha criticado o episódio 1 por semear discórdia entre os nossos protagonistas de maneiras que pareciam conflito apenas pelo conflito, o episódio 2 faz um trabalho muito melhor de forçar basicamente todos a considerar suas escolhas de maneira convincente.

Sim, há tensão narrativa ao enfatizar que Sansa não confia em Daenerys e preferiria que Jon governasse, mas é muito mais realista imaginar que essas duas poderosas mulheres capazes simplesmente sentariam e teriam uma conversa honesta, em vez de esquematizar qualquer coisa de ruim pelas costas de cada uma. Essas simples trocas (embora ainda carregadas de incertezas) fazem muito mais justiça às viagens que nossos heróis realizaram nas últimas sete temporadas do que a um episódio cheio de olhares desconfiados e tentativas de enfraquecer um ao outro. Em termos de grandes movimentos narrativos, além da conversa crucial de Sam com Jon nas criptas e do apressado resgate de Yara pela Theon na semana passada, não parece que teríamos perdido muita coisa se este episódio tivesse sido a estreia da 8ª temporada em vez de “Winterfell”, o que é uma loucura quando você considera que existem apenas quatro episódios para o fim! A ausência de Porto Real não é particularmente perceptível quando há tanta coisa acontecendo no norte.

Sansa Stark em todas as cenas pareciam mais Rainha do que a Dany (HBO)

O episódio também planta algumas sementes intrigantes que têm que dar frutos nos próximos – Bran solta uma bomba que o Night King tentou destruir “muitos” Corvos de Três Olhos no passado, e que ele quer apagar mundo dos homens – incluindo qualquer memória do passado da humanidade. Não pode ser um acidente que Bran pretenda atrair o Rei da Noite para o Bosque Sagrado, dada a importância das árvores na história da criação dos Caminhantes Brancos.

Também parece importante que Tyrion peça a Bran para contar-lhe a longa história de como ele se tornou o Corvo de Três Olhos – parece que Tyrion pode ter alguma informação útil durante essa conversa que não se tornará aparente por enquanto. O episódio também se dobra ao enfatizar que Daenerys valoriza a inteligência de Tyrion acima de tudo em sua posição como Mão, mesmo que a série tenha se esforçado para minar esse intelecto (especialmente aos olhos de Dany) ultimamente. Isso significa que Tyrion tem um plano que pode virar todo o jogo – talvez um que envolva seu próprio sacrifício.

O episódio apresenta muitos momentos de fechamento de ciclos narrativos: Theon tentando se redimir por tirar Winterfell de Bran e fingir sua morte, prometendo protegê-lo; Jorah e Lyanna tendo um mormont (momento) há muito atrasado (desculpe, eu tive que fazer esse trocadilho), e Sam dando a Jorah a espada de sua família; Tyrion admitindo que perdeu o gosto por prostitutas desde Shae (algo que percebemos quando ele e Varys estavam em Volantis, mas é bom ver ecoar aqui); e Podrick provando suas habilidades de luta depois que Brienne prometeu treinar com ele duas vezes por dia na 5ª temporada. Ghost está de volta e ninguém disse o que onde ele e o que estava fazendo, uma das coisas mais comuns que as pessoas que fazem teorias sobre ele é que na verdade, Ghost estava o tempo todo por perto e como é caro fazer ele, foi deixado nas sombras sutilmente. Eu acredito que ele tenha um papel importante ainda com ter ido procurar outros de sua espécie para a batalha.

Mas talvez o mais esperado momento seja a saliência de Arya e Gendry, que decidem que também podem ter um momento de paz, calor e prazer antes de morrer. A cena para mim foi pesada, já que eu acompanho a Arya desde uma menina ainda perdendo os dentes de leite, foi como assistir minha filha de bumbum de fora na frente da TV. Mas era esperado, a série estabeleceu as bases para este momento ao longo de muitas temporadas, e é refrescante ver Arya afirmar-se e apropriar-se de seu desejo do jeito que as mulheres raramente são permitidas em Game of Thrones, ainda é estranhamente desconcertante ver nossa pequena Loba crescer e seduzir o bastardo de Robert Baratheon. Existe um diálogo do Robert Baratheon a Ned Stark que vocês não devem estar mais lembrando: “Eu tenho um filho, você tem uma filha; vamos juntar nossas casas”.

Maisie Williams tem 22 anos (e Arya tem provavelmente 18 ou 19 anos) e a série certamente teve cenas mais explícita com suas cenas de sexo no passado. Fim da polêmica.

A bomba de Jon soltou na cabeça da Daenerys antes da batalha mais difícil de suas vidas. Ele deixando para falar para ela justamente na hora que o Rei da Noite está chegando. Não tem aquili que está ruim que pode ficar pior. Jon definitivamente poderia ter colocado um alfinete nessa revelação por apenas um pouco mais e permitiu que Dany mantivesse seus olhos na batalha, em vez de aumentar seu estresse quando qualquer um deles podendo morrer nas próximas horas de qualquer maneira. Nós provavelmente teremos que esperar até o episódio 4 para obter qualquer tipo de resolução sobre isso. Agora é guerra e nada mais.

HBO

Veredito

Esqueça o episódio 1, este episódio é a verdadeira calma antes da tempestade – e a longa e escura noite da alma para os nossos heróis. Graças a alguns ganhos verdadeiramente emocionais e um senso de pavor constante, “A Knight of the Seven Kingdoms” é Game of Thrones por excelência – uma parcela agradável que permite uma progressão de personagens muito necessária antes, presumivelmente, da série matar metade do elenco. Tormund ainda deve está procurando mais leite de giganta nesse momento e nós não estamos preparados para que o virá.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.