Não deixe de conferir nosso Podcast!

JOHN CONSTANTINE | A SAGA DO MAGO DA DC NOS QUADRINHOS:

Sabemos que não é fácil enfrentar demônios saídos do inferno, mas é menos fácil ainda batalhar contra aqueles que vivem dentro de nós. John Constantine é um personagem atormentado por esses dois tipos de maldições, enquanto vaga pelo mundo como bruxo, ocultista, demonologista e canalha profissional.

O anti-herói é muito querido pelos fãs da DC Comics e do saudoso selo Vertigo, tendo ganhado inúmeras histórias fascinantes e até mesmo algumas adaptações. Chega a hora de conhecermos um pouco mais sobre a história, a origem e os poderes de John Constantine, o Hellblazer!

Primeira aparição e criadores:

John Constantine é uma criação conjunta de alguns dos grandes mitos da DC Comics.O gênio Alan Moore (Watchman e V de vigança) deu a ideia e foi auxiliado pelo desenhista e editor Stephen R. Bissette, pelo escritor Rick Veitch e pelo ilustrador John Totleben. Porém, há algumas controvérsias em relação à primeira aparição do anti-herói nas HQs. Teoricamente, ele surgiu em The Saga of Swamp Thing #25, em junho de 1984.

Contudo, essa primeira aparição foi breve e ele só foi de fato introduzido e explorado um ano depois, no 37º volume da mesma revista. Muitos então afirmam que o que aparece na edição 25 é o “Constantine da DC Comics“, enquanto que o que aparece na edição 37 em diante é o “Constantine da Vertigo“.

Origens Nos Quadrinhos:

Pouco depois de sua inclusão na Saga do Monstro do Pântano, John Constantine ganhou seu próprio título pelas mãos do escritor James Delano. A revista ficou muito conhecida, com o título de Hellblazer. Nela, temos alguns insights do passado de Constantine, enquanto ele vive suas aventuras no presente, enfrentando demônios e criaturas sombrias.

Nas histórias, descobrimos que John nasceu em Liverpool e teve uma infância bem traumática e desajustada, tendo que lidar com o alcoolismo do pai. Ele acabou se tornando um rebelde sem causa, inclusive inaugurando uma banda de punk rock (chamada Membrana Mucosa). E foi assim que ele acabou se enveredando pelo caminho da magia e do ocultismo.

Newcastle:

Em uma de suas primeiras incursões no ocultismo, o episódio resultou no pior trauma da vida de John Constantine, algo que inclusive foi explorado em diversas adaptações do personagem. Enquanto estava em turnê com sua banda, John acabou descobrindo uma menina que havia sido abusada sexualmente e, por conta do trauma, acabou invocando um monstro pavoroso e indestrutível.

Cheio de arrogância e soberba, Constantine se propôs a invocar um demônio para tentar derrotar o monstro, junto de seus colegas de banda e outros amigos ocultistas. O resultado acabou sendo terrível, já que o demônio Nergal traiu o mago e acabou levando a alma da menina ao inferno. Esse evento traumatizou Constantine e fez despertar nele um senso de responsabilidade muito maior.

Hábitos Perigosos:

 

Muitos Traços do personagem são reconhecidos, mas seu vício exagerado em nicotina certamente é uma de suas características. Desde sua origem, John Constantine é um fumante agressivo, devorando maços e maços de cigarros por dia. E um dia, isso acabou levando a uma das histórias mais cultuadas do anti-herói, Hábitos Perigosos, escrita por Garth Ennis.

Na trama, John descobre que, após anos fumando exageradamente, desenvolveu câncer de pulmão em estágio terminal e tem poucos dias de vida pela frente. Desesperado e ciente que, se morresse, iria para o inferno, o anti-herói começa uma cruzada para tentar salvar sua alma, mesmo que para isso precise se envolver com demônios muito perigosos.

A história foi publicada em 1991 e se tornou um dos pináculos do personagem, sendo inclusive adaptada vagamente no filme de 2005. A partir daí, Constantine teve mais revistas que discutiam seus vícios e virtudes de modo bem mais humanizado.

Novos 52:

Com a chegada da saga dos Novos 52, o personagem foi bastante reformulado para se encaixar perfeitamente no universo principal da DC Comics, já que o selo Vertigo era usado para publicar outras histórias independentes. Aqui, temos algumas mudanças na origem do personagem e até mesmo na sua personalidade, algo que desagradou muito os fãs por ele ter sido “suavizado” para um público mais jovem.

Nessa época, no entanto, ele acabou ganhando muita fama e notoriedade por ter participado de uma equipe mística, a Liga da Justiça Sombria. No grupo, ele interagia com personagens como Zatanna, Monstro do Pântano e Desafiador, em aventuras cheias de ocultismo e mistério. Eventualmente, ele acabou participando de uma segunda formação da equipe, liderada pela Mulher-Maravilha.

Imerso no Universo de Sandman:

Com a chegada do Universo Renascimento da DC Comics, o personagem passou por mais uma mudança, voltando às histórias mais densas e sombrias de antes. Com a extinção do selo Vertigo, as histórias do anti-herói passaram a ser publicadas pela linha DC Black Label, que fica responsável por títulos mais adultos e independentes, que podem envolver violência gráfica e cenas sexuais.

Foi nesse sentido que ele ganhou uma nova HQ, que por sua vez faz parte da iniciativa Universo de Sandman. Nessa linha, temos várias revistas relacionadas a Sandman – que incluem Lúcifer e Livros da Magia, por exemplo. A DC então lançou Hellblazer, inserido nesse contexto e conectada diretamente às outras revistas, em um universo compartilhado mais independente do resto da editora.

Por Onde Começar a Ler Hellblazer?

Falei um pouquinho sobre John Constantine e sua saga no mundo dos quadrinhos. Agora vou dar algumas sugestões de algumas histórias para você começar a ler a Saga Hellblazer!

HELLBLAZER: HÁBITOS PERIGOSOS (1991)

HELLBLAZER: PECADOS ORIGINAIS (1992)

HELLBLAZER: BOAS INTENÇÕES (2002)

HELLBLAZER: ASSOMBRADO (2003)

HELLBLAZER: O HOMEM DE FAMÍLIA (2008)

*lembrando que não segue uma ordem de melhor nem pior, são apenas histórias que eu considero essenciais para você começar a ler John Constantine.

Jandir Oliveira
Apaixonado Por Quadrinhos, Beatles e Zeppelin! Colaborador Do Site Quinta Capa.