Não deixe de conferir nosso Podcast!

Resenha | Tex Edição de Ouro nº 99 (Editora Mythos)

Trazendo uma trama com ação quase ininterrupta, este volume de Tex Ouro conta com roteiro de Claudio Nizzi, feito sob medida para valorizar a volatilidade do traço de Giovanni Ticci, resultando numa aventura memorável.

Com o título “Irmão Branco”, o enredo é centrado no conflito clássico entre indígenas e homens brancos, tendo como palco as terras áridas do Arizona. A história abre com um comboio policial levando seis apaches numa diligência para julgamento na cidade de Safford. Eles são acusados pelo massacre de um grupo de mineiros em San Cristóbal, embora neguem a autoria da barbárie.

Os representantes da lei seguem temerosos de uma investida dos índios contra o grupo, uma vez que o líder apache Taiga escapou do cerco que resultou na prisão. Por isso, pedem ajuda aos militares de Forte Bowie, que se prestam a encontrar o comboio no trajeto e acompanhá-lo até Safford.

Quando os militares finalmente despontam no horizonte, a surpresa: trata-se de Taiga e seus apaches, que se disfarçaram usando fardas e cavalos tomados da tropa enviada de Forte Bowie após surpreendê-los no trajeto. A artimanha é bem-sucedida e conseguem resgatar os presos sem causar nenhuma morte. Os apaches fogem em disparada até encontrar Tex e Kit Carson.

É quando descobrimos não apenas que a dupla de rangers se aliou a Taiga como também planejou o resgate dos apaches. Tex e seu parceiro não acreditam na acusação que pesa sobre os indígenas, e decidem descobrir a verdade por trás do massacre de San Cristóbal.

A investigação os leva a Forte Jefferson, onde descobrem que a suposta autoria dos apaches pelo crime foi apontada por uma testemunha ocular, que ainda se encontra no local. Após se apresentarem ao indivíduo, um mexicano chamado Raimundo, Tex e Carson sentem cheiro de armação, confirmada pela sua fuga do Forte.

Era tudo que bastava para nossos heróis se empenharem mais do que nunca na investigação, que desembaraça aos poucos um novelo de crueldade e ambição que cobre o caso, envolvendo desde figuras insuspeitas e tendo à frente o rico comerciante Emmerich, com seus interesses escusos.

Nizzi elabora sequências sucessivas de perseguições, fugas e tiroteios eletrizantes, que só crescem no lápis de Ticci, com seu traço ágil e rico em detalhes. Embora cada personagem tenha um papel bem delineado na história, ainda assim encontramos boas surpresas ao longo da narrativa, na qual se sucedem cenas de tirar o fôlego.

Toda sorte de eventos busca atrapalhar Tex e Carson, que se revelam verdadeiras forças da natureza em seu propósito: chegam a escapar de uma perigosa queda d’água para caírem em seguida nas mãos dos bandidos, sendo, porém, resgatados pelos apaches de Taiga e retomando sem demora sua investigação.

Tex Edição Ouro sai no tradicional formatinho, com capa cartão e papel jornal. O volume traz um texto introdutório abordando as ideias iniciais de Claudio Nizzi para o roteiro e um posfácio rico em referências a outros trabalhos do roteirista que envolvem os apaches.

FICHA TÉCNICA:

  • Capa cartão, com 228 páginas;
  • Editora Mythos;
  • Lançamento em novembro de 2018;
  • Preço de capa: R$ 26,90.
  • 9.6/10
    Roteiro - 9.6/10
  • 10/10
    Desenho - 10/10
  • 9.5/10
    Narrativa - 9.5/10
  • 10/10
    Nota Da Edição - 10/10
9.8/10
Rafael Machado
Parnaibano, leitor inveterado, mad fer it, bonelliano, cinéfilo amador. Contato: rafaelmachado@quintacapa.com.br