Segunda, 09 De Julho De 2018

Notícias sobre Filmes, Séries e Netflix

Resenha – NieR: Automata – “2B or not to be”

Dizer nos dias de hoje que games são apenas um meio de diversão é negar qualquer tipo de evolução que qualquer área criativa possa vir a ter, há sim games que tem por função apenas distrair, mas há aqueles que chegam para deixar sua marca não apenas no entretenimento, mas no consciente daqueles que apreciam como a arte que é. NieR é um desse jogos que hoje trago aqui para uma resenha.

Enredo

Em milhares de anos no futuro, a humanidade sofreu ataques massivos de formas de vida alienígenas que atacaram com força extrema usando maquinas como linha de frente na invasão, a guerra durou muito tempo, assim obrigando aos humanos sobreviventes fugirem em direção a lua, que abrigaria os remanescentes até que a força de resposta YoRHa, composta por um batalhão de androides que tem por função buscar e destruir qualquer força alienígena e assim libertar a Terra, para que a humanidade retorne e volte a sua glória. Vivenciando esse enredo, temos três personagens centrais, YoRHa Nº 2 Modelo B, ou simplesmente 2B, uma modelo feminina de androide de batalha YoRHa cuja principais características são sua calma e compostura. Ela é acompanhada por 9S (YoRHa Nº 9 Modelo S), um androide de reconhecimento que demonstra mais emoções do que outras unidades YoRHa, e é observada por A2 (YoRHa Modelo A Nº 2), um protótipo obsoleto da linhagem de 2B com uma personalidade taciturna que frequentemente escolhe agir por conta própria.

Androides da esquerda para a direita: 2A, 9S e 2B

Desenvolvimento

O maravilhoso Yoko Taro

NieR Automata não foi uma ideia pre-concebida como a maioria dos jogos, a princípio, Yoko Taro, o diretor do jogo, gostaria de fazer uma continuação do spin off da sua série Drakengard, NieR Gestalt/Replicant (mas deixando logo claro, os dois NieR acontecem em um mesmo universo e chegam a ter itens e personagens em comum, mas é uma história totalmente nova e sem relações diretas, então sem problemas se não jogou o anterior). Mas, devido as vendas baixas do jogo anterior, ninguém tinha interesse na ideia, até que a Square Enix acreditando no potencial do diretor, entrou em contato com a Platinum Games que topou a parceria para o desenvolvimento do game.

O projeto iniciou em 2014, tendo seu anuncio em 2015, primeiro gameplay em 2016, até seu lançamento em fevereiro de 2017 no Japão, março no ocidente e pc e agora em junho de 2018, graças aos números excepcionais de vendas, o XboxOne vai ganhar a sua versão já com todas as DLC’s inclusas, que são um conjunto de roupas para os personagens jogáveis, além de um modo coliseu com inimigos exclusivos como os CEO’s da Square Enix e Platinum Games respectivamente.

Aspectos Técnicos

Apesar de parecer um hack’n slash, o jogo é um rpg de ação onde você tem que interagir em um mundo pós-apocalíptico onde definitivamente, nada é como parece ou como lhe é dito, as verdades do mundo de NieR Automata estão muito bem escritas, desenvolvidas e escondidas ao longo do jogo graças ao trabalho excepcionalmente carinhoso de Yoko Taro, que exigiu da equipe de produção um sistema totalmente alternativo e melhor do que o NieR original, alternando em momentos de exploração, combate, coleta e combate aéreo.

Complementado pela arte de Akihiko Yoshida, que deu preferência pelas cores pálidas e mortas das maquinas e androides em contraste com as cores vivas de um mundo que um dia morreu e renasceu verde e forte acima de todo caos e destruição do passado, e claro sem deixar de citar principalmente a trilha sonora absurdamente maravilhosa composta por Keiichi Okabe, Keigo Hoashi, Kuniyuki Takahashi e Shotaro Seo, alternando entre músicas clássicas, hinos, música eletrônica e metal pesado, perfeitamente sincronizado para se adaptar ao ambiente, narrativas e momentos de ação extrema. Além disso,a canção tema The Weight of the World foi composta com versões diferentes cantadas por Emi Evans (inglês), Marina Kawano (japonês) e J’Nique Nicole (francês).

Portanto…

NieR Automata não é apenas um jogo, ele é uma obra de arte que ao jogar você sente o sentimentos e dedicação por parte das pessoas envolvidas no seu desenvolvimento, nos detalhes da física dentro do game, estética, combinação de cores e músicas com o ambiente, definitivamente uma experiência única e indispensável para aqueles que apreciam uma excelente expressão da arte de fazer jogos.

Quem é MatsuYamato

Mais um dentro da legião de gamers mas que se esforça para não cair em todas as tentações e promessas do hype, afinal, games são artes e devem ser apreciados com calma e amor. Ah, e também um grade fã de animes e mangás em especifico da temática de mechas, principalmente Gundam, por que Gundam é amor <3.

  

Posts Relacionados
%d blogueiros gostam disto: