Não deixe de conferir nosso Podcast!

Resenha | Conan, o Bárbaro – Livro I (Editora Pipoca & Nanquim)

Livro I de Conan pela editora Pipoca & Nanquim reúne os contos originais de Robert E. Howard em um belo volume cheio de extras que enriquecem a publicação. Porém, o grande destaque está na qualidade do texto de Howard, criador do gênero espada e feitiçaria, mostrando como as histórias originais do bárbaro fascinam leitores até os dias de hoje.

 

Resultado de imagem para Conan Pipoca e nanquim image
Arte de Mark Schultz para o conto A Cidadela Escarlate.

 

Chega a ser até um clichê afirmar que o primeiro contato que o leitor/expectador tem com o personagem Conan é através dos quadrinhos, sejam os antigos e atuais da Marvel Comics e os pela Dark Horse, ou pelos filmes estrelados por Arnold Schwarzenegger na década de 1980, esquecendo o fracassado filme estrelado por Jason Mamoa em 2011.

A figura do cimério através dos quadrinhos ou na representação de Schwarzenegger entrou para o imaginário popular pelo vigor que essas adaptações tiveram, pois as hqs produzidas por Roy Thomas na Marvel Comics nos anos 1970 marcaram uma geração de leitores. E o mesmo pode ser dita do filme protagonizado por Arnold na década seguinte, que conta com uma trilha sonora marcante.

 

 

Porém, poucos que conhecem o personagem por outras mídias tiveram a chance de ter contato com o material original do bárbaro criado por Robert E. Howard em 1932 na revista americana Weird Tale. Fato esse que pode ser imediatamente corrigido ao ter em mãos o luxuoso exemplar de Conan, o bárbaro lançado pela editora Pipoca & Nanquim.

Digo luxuoso não só pela jaqueta de acrílico feita para que a arte da capa de Frank Frazetta, famoso capista de Conan, não fosse prejudicada. O luxo da edição, também, não vem do marca texto em forma de espada. Não, o destaque da edição são os textos de Howard publicados na ordem de lançamento americana, as capas originais da Weird Tales, os desenhos de Mark Schultz para ilustrar os contos e os extras que contam com um poema sobre a Ciméria (lar de Conan), além dos Anais da Era Hiboriana e o excelente conto O Deus na Urna.

Ou seja, o conteúdo do Livro I das histórias criadas por Howard, que a editora planeja concluir em três edições, é o grande destaque do livro, fazendo com esse seja a experiência definitiva para aqueles que são fãs de Conan e querem conhecer o material original, sendo, também, recomendado para os fãs do gênero espada e feitiçaria, além dos que gostam de histórias com o terror primordial inspiradas em H.P Lovecraft.

 

Imagem relacionada
Arte de Mark Schultz para o conto Xuthal do Crepúsculo.

 

Contando com os contos A Fênix na Espada, A Cidadela Escarlate, A Torre do Elefante, O Colosso Negro, Xuthal do Crepúsculo, O Poço Macabro e o extra O Deus na Urna, conheceremos várias facetas do personagem em várias épocas de sua vida,  passando por períodos onde Conan é rei, ladrão, mercenário e pirata. Cabe destacar que a opção da editora Pipoca & Nanquim se deu pela publicação dos textos não na ordem cronológica da vida do bárbaro, e, sim, pela publicação original dos textos de Howard.

O leitor pode ficar tranquilo se pensa que vai se deparar com texto datados, já que foram criados na década de 1930, visando à publicação em periódicos baratos da época. O senso de aventura e os acontecimentos macabros estão intocados, fazendo com que a leitura desse livro I seja muito prazerosa.

 

Resultado de imagem para Conan Mark Schultz
Arte de Mark Schultz para o conto O Deus na Urna.

 

A construção do mundo do personagem, suas mitologias e seus reinos também merecem elogios, sendo fundamental para a construção de um universo particular e rico. E isso se pode constatar no extra Os Anais da Era Hiboriana.

É claro que se torna perceptível com o avançar das histórias que alguns elementos se repetem nos contos. Por isso, vemos muitas vezes a figura feminina em perigo que deve ser auxiliada por Conan e o personagem se deparando com antagonistas que são seres monstruosos que fogem a compreensão humana, em uma clara influencia de seu contemporâneo e amigo H.P. Lovecraft, famoso escritor de histórias de terror, sendo A Cidadela Escarlate o conto mais influenciado pelos textos desse último.

Porém, se esses pontos em comum estão presentes em toda a obra, repetindo-se além do recomendável, a execução das histórias é muito boa, fazendo com que as descrições das cenas de batalhas pelas quais Conan passa sejam vividas na mente de quem está lendo.

 

Resultado de imagem para Conan Mark Schultz
Arte de Mark Schultz para o conto O Colosso Negro.

 

A edição da editora Pipoca & Nanquim, que ainda conta com uma introdução de Alexandre Callari e uma biografia de Howard, merece elogios não só por trazer uma visualmente bela edição, com seus destaques, como a capa de acrílico, mas, também, por reunir de forma rica os textos de Robert E. Howard, fazendo com que uma nova leva de pessoas conheçam o personagem que nasceu na literatura, mas ganhou fama nos quadrinhos e no cinema.

 

 

Ficha Técnica

  • Capa dura, com 304 páginas
  • Editora Pipoca & Nanquim
  • Lançamento em dezembro de 2017
  • Preço de capa: R$ 59,90
  • Tamanho: 15,5 x 22,5 cm
  • Edição
4.5

Summary

O Pipoca & Nanquim tem o orgulho de apresentar a volta de uma das maiores sagas épicas de toda a história da literatura. Conan, o Bárbaro, é a obra máxima do escritor Robert E. Howard, um dos mais celebrados novelistas de sua geração, criador do gênero Espada & Feitiçaria, e principal inspiração para autores de renome indiscutível, como J. R. Tolkien, George Martin e Michael Moorcock. Dividida em três volumes, a saga apresentará na íntegra todas as aventuras de Conan seguindo a ordem em que foram publicadas originalmente na emblemática revista Weird Tales, terá acabamento de luxo com sobrecapa de acetato, ilustrações de artistas como Mark Schultz e Gary Gianni, diversos extras e, pela primeira vez no Brasil, as capas originais de Frank Frazetta.

Thiago Ribeiro
Thiago de Carvalho Ribeiro. Apaixonado e colecionador de quadrinhos desde 1998. Do mangá, passando pelos comics, indo para o fumetti, se for histórias em quadrinhos boas, tem que serem lidas e debatidas.