Não deixe de conferir nosso Podcast!

Resenha final de Chernobyl – Virou um clássico com apenas cinco episódios

Leonid Toptunov (Robert Emms)
Leonid Toptunov (Robert Emms) em Chernobyl. Foto: HBO / Liam Daniel / Sky Atlantic

Esta é a resenha final e atrasada da série Chernobyl. Falarei especificamente do último episódio, Vichnaya Pamyat, pincelando os anteriores. Um episódio assombroso que de alguma forma encontrou uma partícula de esperança entre a tragédia e a decadência. Um clássico da história da TV.

Chernobyl em parceria da produtora Sky com a HBO tem sido a capacidade de contar a história da usina soviética condenada por meio de imagens, muitas vezes com uma precisão que lembra o trabalho do próprio Andrei Tarkovsky, o maior diretor que a Rússia já viu e que fez o famoso “Stalker” antos antes da tragédia.

O quinto e último episódio não é diferente. Ele abre com uma montagem lenta e a na ensolarada Pripyat, casais passeiam nos jardins ou nadam na piscina. Crianças brincam no parque infantil. Lyudmilla Ignatenko sorri enquanto seu marido, Vasily, brinca com os filhos de seus vizinhos.

Uma cena flashback, 12 horas antes do desastre no reator No 4. Enquanto Pripyat continua seu dia, um teste de segurança está planejado no QG de Chernobyl. Promoções são prometidas se tudo correr conforme o planejado. Existe alguma preocupação com as cotas de produtividade; Kiev ligou para avisar que pode não haver energia suficiente para operar o reator com segurança. Um atraso é discutido, mas Moscou não se importa muito com isso. O teste será feito. Horas depois, Vasily será um dos primeiros a receber a ligação que precisa correr para a usina para conter um incêndio.

Em Viena, meses após a explosão, Valery Legasov (Jared Harris), que continua encontrando tufos de seus cabelos caindo do couro cabeludo – encontra-se com o presidente da KGB, Charkov. Valery comprometeu-se diligentemente em “governar”, mentindo para os cientistas reunidos em Viena. “Eu acho que você fez uma excelente impressão na conferência”, diz Charkov.

Valery entrou em um pacto faustiano. Ele disse ao mundo o que a KGB queria que ele dissesse em troca de “garantias” de que os reatores restantes seriam tratados em silêncio. Nada foi feito. Mas Charkov deixa claras suas prioridades; Primeiro, um julgamento espetacular dos diretores de Chernobyl, onde Valery deve mentir novamente. “Teremos nossos heróis, teremos nossos vilões, teremos a nossa verdade”, diz Charkov. “Depois disso, podemos lidar com nossos reatores.”

Chernobyl foi o desastre de um estado construído sobre o culto da obediência. O episódio final e, de fato, a série como um todo, se baseou em uma única questão: pode Valery se convencer a dizer a verdade, mesmo que isso seja fútil e suicida?

Quando a poeira tóxica se instalar dessa série baixar, o diretor Johan Renck e o roteirista Craig Mazin serão lembrados por criar um drama extraordinariamente convincente e multivalente, auxiliado por performances impecáveis de Jared Harris, Stellan Skarsgård e Emily Watson. Por enquanto a minissérie está na crista da onda da crítica, então a melhor coisa que podemos fazer é esperar para saber qual será a importância desse trabalho visual para a história da TV e da humanidade.

A verossimilhança do programa é exemplar, chega a assustar. Muitos dos personagens, como Lyudmilla e Vasily Ignatenko, baseiam-se no testemunho dado a Svetlana Alexievich no seu livro ganhador do Prêmio Nobel de 1997 “Vozes de Chernobyl: A História Oral de um Desastre Nuclear”. Mas Chernobyl também se definiu pela sua capacidade de usar elementos de gênero de outras distopias – que, por sua vez, foram influenciadas pelo próprio evento. A série exibiu usos do horror corporal dos quais David Cronenberg se orgulharia. Ou há as cenas lentas e sinistras do vento tremendo através das árvores que parecem familiares para George A. Romero e os incontáveis filmes de terror de zumbis que ele criou.

Neste episódio, Chernobyl mostra-se como um drama de tribunal, quando alternamos entre os ambientes herméticos do julgamento e o estresse da sala de controle nas horas que antecederam a explosão. Ao fazê-lo, o programa permite que uma questão filosófica mais ampla se manifeste – a verdade deve ser sempre contada, independentemente de seu custo? A verdade vale a pena?

A maior tragédia nuclear na história da humanidade foi possível graças às mentiras perpetradas nos níveis mais altos do governo, ajudadas por uma mídia que se engajou voluntariamente na propaganda e na disseminação de informações falsas. Isso aconteceu porque a pesquisa científica foi descartada ou suprimida quando não se encaixava na agenda das autoridades. A série bate esse ponto em cada segundo no último episódio e nos anteriores. E isso é a melhor coisa ela fez.

Lidando com um Dilema
Lidando com um dilema: Valery Legasov (Jared Harris). Foto: HBO / Liam Daniel / Sky Atlanti

Ela termina com Legasov sendo esquecido pelo governo ao contar os segredos que eles queriam esconder. Legasov se mantém fiel aos seus amigos, e defende Shcherbina e Ulana, dizendo que nenhum dos dois sabia o que ele diria em seu depoimento.

Mas isso é importante hoje? Bem, 54 usinas nucleares estão atualmente em construção em 16 países, com 454 usinas ativas em todo o mundo. Isso ocorre em um momento de ressurgimento do autoritarismo nacionalista em todo o mundo, para não mencionar os imprevisíveis eventos climáticos e mudanças sísmicas que, graças ao nosso rápido aquecimento do clima, estão aumentando em regularidade e escala. Para não esquecermos que, no decorrer desta década, Fukushima entrou em colapso por causa de uma consequência de um evento geológico estranho.

No entanto, a série também é esperançosa. É uma homenagem às 600.000 pessoas, muitas das quais, sem nunca serem nomeadas ou reconhecidas, podem ser legitimamente creditadas por salvar as vidas de milhões de pessoas. Como Tarkovsky fez em Stalker, o icônico filme russo que parecia predizer o desastre, Renck e Mazin intensificaram as histórias de seus personagens através do súbito foco forense em detalhes aparentemente aleatórios. Em um momento neste episódio final, Boris Shcherbina, de Skarsgård, faz uma pausa para ver uma minúscula lagarta verde subindo em seu polegar. É como uma profecia em si – em meio a um horror inimaginável, tragédia e decadência, a natureza sempre tem o poder de rejuvenescer. “Ahhh”, ele suspira. “É lindo.” Concordo totalmente.

Banco dos Reus
No banco dos réus: Emily Watson como Ulana Khomyuk. Foto: HBO / Liam Daniel / Sky Atlantic

Veredito

Chernonyl entrou para a história. Ela merecia mais um episódio para mostrar a construção do sarcófago original ao redor dos destroços do núcleo, mas compreendo bem os motivos do criador da série para focar na força dos personagens. A série é um presente e um aviso para a humanidade. Uma obra-prima sem precedentes para a TV.

Eu também escrevi:

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.