Não deixe de conferir nosso Podcast!

Resenha | Legacy of the Dark Lands – Blind Guardian Twilight Orchestra (2019)

Blind Guardian
Nuclear Blast

Reis indiscutíveis do power metal sinfônico alemão, BLIND GUARDIAN trouxe-nos um projeto inusitado que diversas bandas do gênero tiveram medo de fazer. Um projeto épico chamado BLIND GUARDIAN TWILIGHT ORCHESTRA. Algo totalmente novo com a colaboração do célebre autor de fantasia alemão Markus Heitz, eles trouxeram à tona um conto de fantasia de proporções operísticas e cinematográfica intitulado Legacy of the Dark Lands.

BLIND GUARDIAN TWILIGHT ORCHESTRA (BGTO) é o culminar de mais de vinte anos de trabalho dos membros fundadores originais Hansi Kürsch e André Olbrich. Sim, esse álbum demorou 20 anos para sair. As composições inteiramente orquestrais são tão vividamente realizadas e dramaticamente empolgantes quanto qualquer coisa que Richard Wagner poderia ter escrito.

Não estou exagerando, dada a escala da história do álbum, parece quase uma criação do famoso compositor de ópera alemão. Ao contrário das criações de Richard Wagner, no entanto, seu tempo de execução de 76 minutos nunca me pareceu cansativo de ouvir. Você não fica perdido nos momentos entre os interlúdios narrativos que impulsionam a história e os números musicais operísticos. É sem dúvida a maneira mais rápida de passar por uma história de romance sem sentir que você pulou cenas.

Resenha | Legacy of the Dark Lands – Blind Guardian Twilight Orchestra (2019)
Reprodução (Nuclear Blast)

E sim, é inteiramente orquestral. Não há guitarras e pedais duplos aqui. Os fãs que não estão gostando do projeto precisam entender esses movimentos musicais, essas novas dinâmicas sonoras, já que o Blind Guardian é formado por músicos que bebem diretamente da fantasia e música clássicas em suas composições. Olbrich e Kürsch conseguiram colocar todos os elementos que identifica como BLIND GUARDIAN em composições inteiramente orquestrais, graças em grande parte à incorporação de elementos sinfônicos em seus álbuns de power metal. Beyond The Red Mirror é topo da obra musical da banda quando estamos falando de sinfonia, já que nesse álbum eles incorporaram duas orquestras em tamanho real e três majestosos coros em sua execução. E o ouvido perspicaz pode captar motivos de toda a discografia da banda sendo executada por todo o Legacy of the Dark Lands. O exemplo mais óbvio é a Harvester of Souls, que é a música mais longa do álbum, e empresta muito de At The Edge of Time e Beyond The Red Mirror. Mas em outros lugares, por exemplo, In The Red Dwarf’s Tower empresta pequenos trechos de A Twist in the Myth. Isso tem o efeito agradável de fundamentar o trabalho do BLIND GUARDIAN TWILIGHT ORCHESTRA na discografia do BLIND GUARDIAN, entenda: BGTO é definitivamente um projeto separado, mas que honra suas raízes. Para realmente solidificar isso, eles conseguiram chamar os mesmos narradores do álbum Nightfall in Middle-Earth.

A voz única de Kürsch, presente ao longo deste álbum, como está na discografia inteira de BLIND GUARDIAN, é reforçada pelo trabalho fenomenal da Filmharmonic Orchestra of Praga, que forneceu vocais em álbuns do SEPTICFLESH, contribuiu para as trilhas sonoras de jogos como Halo Wars e, mais pertinentemente, trabalhou com BLIND GUARDIAN no meu álbum favorito, At The Edge of Time. O uso de orquestras não é algo exclusivo da banda, é claro, mas um álbum inteiramente orquestral mostra o quão deliciosa música clássica apropriada executada por músicos clássicos adequados pode ser. O clímax dramático de In The Underworld ou a exuberante abertura de Dark Cloud’s Rising servem como ilustrações fantásticas disso. As camadas de harmonia e melodia são gerenciadas com requinte, o que não é fácil, mesmo em uma banda de quatro caras tocando violão; portanto, fazer isso bem com uma orquestra inteira é uma façanha pela qual Olbrich e Kürsch precisam ser reverenciados.

Há, no entanto, um problema que eu não queria encontrar. A história de fundo que forma o núcleo narrativo de Legacy of the Dark Lands também é a continuação de um livro do célebre autor de fantasia alemão Markus Heitz. Esse livro, Die Dunklen Lande (The Dark Lands), foi lançado no início deste ano no mercado alemão e está sendo traduzido para o mercado de leitores que saibam inglês. Então, não é uma obra que nem mesmo o próprio mercado conheça. Portanto, torna a história de Legacy of the Dark Lands um pouco menos acessível para os fãs. O mundo da fantasia não deixa de ter inspiração para a banda: Nightfall in Middle-Earth é baseado em O Silmarillion, de Tolkien, eles escreveram músicas baseadas na Ilíada em dois álbuns. Escreveram sobre Tanelorn, uma cidade fictícia no Multiverso de Michael Moorcock. Já que a banda até escreveu para a trilha sonora para um game The Dwarves (universo fantástico de Markus Heitz), por que não fazer deste projeto um álbum conceitual ambientado no mesmo universo? É quase impossível o Blind Guardian se afastar da fantasia em suas obras musicais.

É uma boa história, mas não existem leitores. O romance possui personagens com os quais o leitor se relaciona, situações perigosas que dão simpatia aos protagonistas aos olhos do leitor e assim por diante. Mergulhar em uma sequência torna esse processo mais difícil. Imagine mergulhar no mundo de Harry Potter na Ordem da Fênix sem ter lido A Pedra Filosofal. Isso deixaria você perdido e sem interesse na leitura. A barreira do idioma para o Die Dunklen Lande será superada quando for lançada em inglês, que deve acontecer até o final deste. Mas elaborar seu primeiro projeto totalmente orquestral como uma sequência de um livro que apenas os alemães terão neste momento lidos pode arriscar alienar os fãs não alemães. Deixando de lado a ideia problemática de que tudo deve ser traduzido para o inglês hoje em dia, os ouvintes deste álbum têm menos motivos para se importar com os personagens desta história do que com personagens completamente originais, porque ainda não lemos o primeiro romance. Sua sequência é um conto agradável, que agradará qualquer fã de fantasia e / ou power metal. Mas até que todos lemos a tradução de Die Dunklen Lande, Legacy of the Dark Lands tem menos impacto como uma história por si só. Dada a fama do BLIND GUARDIAN como contador de histórias e o merecido apelido de The Bards, essa escolha criativa enfraquece um pouco o álbum, tornando-o menos impactante do que poderia ter sido se fosse uma releitura orquestral / operacional de O Senhor dos Anéis Lord of Rings ou os trabalhos de Michael Moorcock.

Leia também: Resenha | Rhapsody Of Fire – The Eighth Mountain (2019)

Fãs obstinados apreciarão este álbum, não importa o quê eu reclame. Mais fãs casuais de metal sinfônico em geral não estarão interessados ​​em um álbum totalmente sinfônico, assim como fãs de super-grupos de ópera rock como AYREON ou AVANTASIA. E vale ressaltar, novamente, que este álbum é o culminar de mais de vinte anos de trabalho. Não há muitos artistas por aí que podem gastar tanto tempo em um álbum e fazê-lo funcionar tão bem, especialmente porque ele foi construído enquanto trabalhava em literalmente todos os outros álbuns que o BLIND GUARDIAN fez desde 1996. A história em sua essência pode não ser a mais amplamente acessível, mas, em última análise, por quem você se apaixona por fantasia? Tolkien tem um lugar tão proeminente na fantasia que é revigorante ver seus maiores fãs no mundo do metal se inspirando em outro autor. Provavelmente é pedir demais que eles façam alguma versão dos livros do Sir Terry Pratchett ou N.K. Jemisin ou Neil Gaiman, mas há tanta coisa no mundo da fantasia que, se houver mais álbuns do BLIND GUARDIAN TWILIGHT ORCHESTRA, eles, sem dúvida, trarão novos e interessantes contos, e você lutará comigo para ser o primeiro da fila no dia do lançamento.

Por fim, Legacy of the Dark Lands é um deleite. Firmemente enraizado na discografia de sua banda-mãe, ele merece toda a sua atenção e exibe muitos belos floreios que encantarão os fãs, tanto casuais quanto os mais antigos. Que haja muito mais no futuro!

A Blind Guardian Saga: Legacy of the Dark Lands
A Blind Guardian Saga: Legacy of the Dark Lands (Hansi Kürsch e André Olbrich)

 

 

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.