Não deixe de conferir nosso Podcast!

Crítica | Move To Heaven fala da morte de forma acolhedora e bonita

Move To Heaven
Reprodução/Netflix

Move To Heaven é emocionante e tem um desenvolvimento fantástico. Leve água e lenço que você desidratar de tanto chorar.

 

Move To Heaven ( A Caminho do Céu)  conta  a história  de Geu-Ru, um jovem que sofre da Síndrome de Asperger, e seu tio Sang-Gu, que acabou de sair da prisão. O destino uniu os dois por causa da infeliz e precoce morte do  pai de Geu-Ru, irmão mais velho de Sang-Gu. Por isso, ele acaba ganhando a guarda do garoto e precisará continuar  tocando para frente a empresa do irmão morto. A Move To Heaven.

Move To Heaven que também dá título para o K-drama é uma empresa  que faz a desinfecção e limpeza de um local de crime ou trauma de casas e quartos de pessoas que faleceram recentemente.

A história é baseada no ensaio ‘Things Left Behind’, de Kim Sae-Byul, que é um limpador de traumas na vida real. O roteiro foi escrito por Yoon Ji-ryeon, que também escreveu o fenômeno cultural ‘Boys over Flowers’. A direção ficou na mão de Kim Sung-Ho. Nomes desconhecidos para o ocidente, mas que no oriente tem prateleiras cheias de prêmios e reconhecimentos. Ainda lembrando que Move To Heaven é um K-drama pago e feito totalmente pela Netflix.

Geu-Ru, interpretado por Tang Joon-Sang (esse menino tem futuro, ele está em três superproduções coreanas no catálogo da Netflix e ainda é muito jovem), faz um ótimo papel. Seu trabalho corporal de uma pessoa com Síndrome de Asperger foi bem feito, humano e emocionante. Além do fato do menino ter uma das mentes mais brilhantes de uma novela coreana.  Tang Joon-Sang é muito reservado também na vida privada, mesmo fazendo novelas e filmes desde criança.

Já o tio é interpretado pela lenda Lee Je-Hoon, que você provavelmente conhece de séries como ‘Taxi Driver’, ‘Signal’ e o filme ‘Time To Hunt’. Na história, Sang-Gu é um boxeador que faz lutas e apostas ilegais no submundo de Seul e, por causa disso, acabou sendo preso.

Ji Jin-hee interpreta o pai de Geu-Ru. Apesar de falecer no primeiro episódio, ele aparece em praticamente toda a série nas lembranças de seu filho e de Sang-Gu.  E os dois acabam sendo moldados pela gentileza incrivelmente bonita do personagem de Ji Jin-hee.

Com seus dez episódios, o drama pareceu bastante curto para mim. Cada episódio tinha seu próprio pequeno arco e eu realmente gostei de como eles usaram as histórias das pessoas que faleceram para construir os personagens ainda mais. Eu acho que a opinião de alguém sobre algo revela mais sobre seu caráter do que qualquer outra coisa. E cada plot dos episódios faziam isso de forma magistral.

Um detalhe muito importante e interessante que falarei é que os nomes dos personagens também podem ser escritos para nomes de flores. E isso vai ajudar vocês a compreender os motivos de cada um.

Tenho dois sobrinhos autistas e sempre para mim será muito emocionante entender como é a vida de uma criança com essas condições. Tanto que gostei da sensibilidade da produção da série de nunca deixar Geu-Ru ficar sozinho. A condição do autista parece para quem vê fora é que ele sempre está sozinho no mundo dele, mas uma criança autista não gosta de ficar sozinha. Nunca. E a pessoa mais próxima dele era sua vizinha, interpretada pela atriz Hong Seung-hee que já apareceu na novela “Navillera”.

Hong Seung-Hee interpreta Yoon Na-Mu, ela tem uma queda por Geu-Ru, além de ser uma amiga confiável.

Move To Heaven foi muito agradável de assistir, tem uma bela trilha sonora, principalmente música clássica. A narrativa é muito humana em diversas camadas, poderia e teria tempo de contar mais algumas histórias, principalmente sobre o núcleo das lutas e jogos ilegais.

Também havia a paixão secreta de Sang-Gu por Son U-Rim, interpretado pela cantora Sooyoung. A coisa teria sido bem interessante se contassem mais sobre esses dois.

Sobre o resto dos acontecimentos, enredo e personagens de cada episódio, eu deixo a cargo de vocês que ainda não assistiram. Tudo em Move To Heaven é acolhedor, a morte é respeitada, a perda é compartilhada e suas histórias são muito bonitas e reais.

É muito emocionante. Recomendo sem medo.

 

Disponível na Netflix.

PikachuSama
Editor de Contéudo deste site. Eu não sei muita coisa, mas gosto de tentar aprender para fazer o melhor.